Documentário explora mudanças dos últimos seis mil anos na Amazônia


Mudanças climáticas influenciaram na fauna, dizem pesquisadores.
Iniciativa foi colocada em documentário lançado esta semana.

 

Do G1 Vale do Paraíba e Região

Pesquisadores exploram mudanças de 6 mil anos na fauna da Amazônia (Foto: Fabio Rubinato)Pesquisadores exploram mudanças de 6 mil anos na fauna da Amazônia (Foto: Fabio Rubinato)

O cenário da Amazônia passou por transformações ao longo dos anos que vão além da interferência humana. Diversas mudanças que datam milhares de anos estão sendo estudadas por pesquisadores brasileiros e estrangeiros, na tentativa de desvendar o passado de uma das maiores biodiversidades do planeta.

A iniciativa foi registrada em um documentário,  lançado nesta quinta-feira (13) em São José dos Campos. Intitulado “Geobiama: uma expedição científica na Amanônia”, o filme é fruto de uma pesquisa desenvolvida pela geóloga e pesquisadora Dilce de Fátima Rosseti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em parceria com a Universidade de Turku, na Finlândia.

“Queremos fazer a integração de dados geológicos da região até os dias atuais, muito ligado na parte de vegetação, que é composta por florestas e campinaras. Estamos observando ambientes antigos, que existiam há seis mil anos e hoje não existem mais”, conta a geóloga. 

Para a produção do documentário, foram reunidos pesquisadores do Inpe e especialistas em geologia, paleontologia e botânica do Brasil e exterior. Os especialistas atuam coletando amostras naturais da fauna da região, além de organizá-las em um banco de dados para análise.

Segundo Dilce, as principais mudanças na composição da fauna da região foram causadas por mudanças climáticas e alterações ambientais naturais. “O Rio Madeira tinha um curso diferente, correndo a 30 km de distância do lugar atual. O Rio Negro, Solimões, Rio Branco, todos mudaram muito de posição com o tempo”, afirma.

Documentário
O documentário tem direção do fotógrafo Fábio Rubinato e será disponibilizado nesta sexta-feira (14) pela internet. Durante as gravações, além das descobertas do estudo, ele afirma ter se assustado com o nível de desmatamento da região.

“Tenho medo do que vi na Amazônia, na opinião de leigo mesmo. Apesar das interferências naturais, o desmatamento segue sem controle e é uma prática muito difícil de combater”, avalia.

A produção do filme é fruto de quase um ano de trabalho, acompanhando pesquisadores durante expedições na região e coletando entrevistas dos diferentes especialistas envolvidos com o tema.  “Tentamos colocar uma linguagem mais acessível para o público, que tornasse o conteúdo mais atrativo para o público geral. O conteúdo é extremamente interessante e importante”, afirmou o diretor.

Trabalhos são encabeçados pela pesquisadora do Inpe Dilce Rosseti (Foto: Fabio Rubinato)Trabalhos são encabeçados pela pesquisadora do Inpe Dilce Rosseti (Foto: Fabio Rubinato)

Leave a comment